Deixe um recado pra mim...

Encontre o que procura...

Google

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Pescador é morto por duas onças no Pantanal!


Casal de animais arrancou jovem da barraca e o atacou; cenas de violência foram presenciadas pelo pai da vítima que nada pode fazer



Sinézio Alcântara

Especial para A Gazeta


Um pescador foi atacado e morto por duas onças na região do Pantanal, em Cáceres. Luiz Alex da Silva Lara, 22, estava acampado, em companhia do pai, Alonso Silva Lara, 45, na localidade denominada "Pacu Gordo", próximo a estação ecológica do Taiamã, no rio Paraguai, no sentido a Corumbá. O ataque aconteceu às 19h de terça-feira (24). Os animais, possivelmente um casal, surpreenderam o pescador quando ele dormia no acampamento.

As onças rasgaram a barraca e o puxaram pela cabeça. Ao retornar, o pai, que havia saído para pegar iscas, ainda assistiu o filho ser dilacerado. Alonso diz que nada pode fazer porque estava sem nenhuma arma de fogo. Ele ainda tentou tomar o filho das garras das onças, com um facão. Mas as tentativas foram inúteis, porque todas as vezes que ele aproximava, os animais ameaçavam atacá-lo.

"Foi o momento mais difícil de minha vida ver o meu filho ser morto e não poder fazer nada. Se fosse só uma talvez eu tivesse conseguido, mas eram duas, se eu insistisse elas me matavam também", disse Alonso. O pai conta que os animais arrastaram o corpo por cerca de 50 metros. Após o pedido de socorro, outros pescadores compareceram, mas Luiz estava morto. Após atacar e matar, as onças comeram as bochechas e a parte da nuca do pescador. A família não permitiu fazer imagem do corpo, durante necropsia no Instituto Médico Legal (IML), na manhã de ontem, em Cáceres, devido ao estado do corpo. A cabeça, principalmente, estava totalmente desfigurada.

Alonso Lara conta que esse não foi o primeiro ataque de onças naquela região. Pescadores de outros acampamentos, segundo ele, também já foram atacados. O corpo do pescador foi resgatado com autorização da Polícia Civil pelo barco Babilônia. Da reserva ecológica do Taiamã. O corpo chegou em Cáceres na manhã de ontem, onde até as 12h permanecia no IML para realização da necropsia. O pescador foi velado na rua da Violetas, no bairro Jardim Vila Nova.


Um comentário:

☆ Renata Emy ☆ disse...

Hey, era isso que queria te contar...

O tio do carinha era meu vizinho!

Tá td mundo comentando aqui na rua... =P

Bjoo